Pular para o conteúdo

14º Workshop Internacional do Laboratório Ítalo-Brasileiro de Formação, Pesquisa e Práticas em Saúde Coletiva

“Para uma reforma da assistência territorial a partir de uma perspectiva comunitária e trans local”.

O programa deste Workshop nasce da ideia de que é necessário continuar o trabalho de consolidação de alianças trans locais a fim de tornar as políticas públicas de cuidado mais fortes e decisivas.

Tem sido apontado que, apesar de suas diferenças, os dois contextos (o italiano e o brasileiro) apresentam algumas convergências relacionadas aos desafios atuais das políticas públicas universalistas no campo da saúde, incluindo o fortalecimento da atenção territorial numa perspectiva comunitária e internacional, também diante das evidências amadurecidas durante a pandemia.

Antes de tudo, as mudanças epidemiológicas, sociais, culturais e ambientais aceleradas pela pandemia tornam urgente orientar os serviços de saúde para uma visão epistemológica do “cuidado” como uma prática situada e embutida nas inter-relações entre os contextos/lugares e os diferentes seres vivos.

Primeiro, as mudanças epidemiológicas, sociais, culturais e ambientais aceleradas pela pandemia tornam urgente orientar os serviços de saúde para uma visão epistemológica do “cuidado” como uma prática situada e embutida nas inter-relações entre os contextos/lugares e os diferentes seres vivos. Não é coincidência que os mesmos 17 objetivos da ONU (Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável) identifiquem um plano de ação para as pessoas, o Planeta e a prosperidade como elementos interligados. A OMS também afirma esta perspectiva muito claramente através do pressuposto da abordagem de Uma Saúde; vivemos dentro de um sistema do qual fazem parte pessoas, animais, plantas e o meio ambiente em geral, no qual todos nós estamos imersos. Portanto, não há apenas indivíduos e comunidades, não há apenas a espécie humana a ser preservada: a saúde do planeta e todos os seus habitantes devem ser iguais. Somos todos elementos de um sistema único, no qual a saúde de cada elemento humano, animal ou ambiental é estreitamente interdependente da dos outros.

Em segundo lugar, ficou claro que os serviços territoriais não só desempenharam um papel fundamental nas estratégias de combate à pandemia, mas também se tornaram o fulcro para garantir respostas de proximidade, para aumentar a capacidade de uma comunidade de exercer um papel ativo nas orientações de cuidado inspiradas pela visão referida. Não é por acaso que nos dois contextos, diante da crise sanitária causada pela propagação do vírus, a importância das redes sociais comunitárias no apoio às formas solidárias de ajuda se tornou visível, especialmente para as pessoas envolvidas em processos de vulnerabilidade, e do sistema de serviços territoriais em se tornar proximal, garantindo o direito à saúde graças à presença de políticas de saúde universalistas. Isto é mais evidente no Brasil, onde para a “necropolítica” do governo federal, o SUS (Sistema Único de Saúde) conseguiu combater a propagação e implantar estratégias de tratamento graças às escolhas autônomas feitas pelos Estados e Municípios

Deste ponto de vista, podemos aceitar o convite de alguns autores sul-americanos sobre a impossibilidade de conceber o homem e a natureza como entidades separadas. Esta divisão forçada é a verdadeira causa da catástrofe socioambiental que caracteriza o Antropoceno: só rejeitando a ideia de que os seres humanos são superiores a outras formas de vida é que poderemos revalorizar as nossas vidas e, ao mesmo tempo, ter a possibilidade de restabelecer uma relação correta com o planeta. Em particular, Krenak diz que os ‘povos originais’ neste momento podem dar-nos um exemplo de um modo de vida diferente.

O centro de gravidade destes workshops é colocado no horizonte internacional para se ter consciência das interdependências e de como estas podem ser alimentadas para reforçar valores, direções para a construção de “redes de redes”, para agir no respeito “de e para vidas”.

A perspectiva internacional torna-se o dispositivo onde podemos cooperar a fim de estimular reflexões e objetivos adequados às dimensões supranacionais que a pandemia nos obrigou a considerar urgentemente.

O Laboratório é articulado através das seguintes atividades:

  • Projeto estratégico Sogn(a)zione/sonhos em ação em diálogo entre a Itália e o Brasil para uma assistência territorial comunitária, que envolverá encontros territoriais entre parceiros territoriais regionais e brasileiros;
  • Os eventos temáticos, também realizados na forma de rodas de conversação, representam uma oportunidade para continuar a discussão sobre as prioridades comuns lembradas no título do Workshop: Para uma reforma da assistência territorial a partir de uma perspectiva comunitária e trans-local; e
  • As visitas guiadas têm como objetivo incentivar o estudo em profundidade nos locais territoriais para permitir uma compreensão das práticas orientadas para a comunidade;
  • Os eventos satélite são compostos de seminários estreitamente relacionados com os temas tratados no Workshop, os quais são enfatizados a fim de destacar as redes de colaboração que compartilham os objetivos do Workshop Ítalo-Brasileiro e reforçar mutuamente as ações implementadas.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA AQUI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *