Pular para o conteúdo

Aconteceu nesta quinta-feira, (13), o 3º e última dia de debates e apresentações no II seminário Luso-Brasileiro de Inovação & Envelhecimento Humano com enfoque em Saúde Digital, realizado na Universidade do Porto – Portugal.

PAINEL 3 –

Experiências Inovadoras em Saúde e Bem-estar Mediadora: Camila Alves Areda | Faculdade de Ceilândia – Universidade de Brasília.

Saúde digital na Amazônia Ivana Beatrice Mânica da Cruz | Universidade Federal de Santa Maria

A Inovação da saúde digital foi um dos temas abordados nas ações com colaboração da Universidade de Santa Maria com a Amazônia, por meio da FUnATI. – Fundação Universidade Aberta da Terceira Idade – hoje uma fundação do Estado do Amazonas.

De acordo com prof.ª Camila, o núcleo digital da pessoa idosa se baseia em quatro pilares. 1. Ensino – voltada a formação de Gerontologos e Cuidadores 2. Pesquisa e Inovação – Promoção de Conhecimentos & Tecnologias 3. Extensão – Promoção do Envelhecimento Saudável 4. Atenção da saúde da pessoa idosa – Policlínica. Essas ações atendem cerca de três mil idosos na busca pelo envelhecimento saudável em que praticam cerca de vinte atividades na Fundação.

A FUnATI conta ainda com colaboradores internacionais com Universidades de Leon na Espanha, no Japão e na Universidade de Toronto Canada.

Ela destaca, a completa dependência dos idosos do sistema de saúde e as dificuldades de acesso as áreas urbanas, o que acaba criando alguns improvisos. Mesmo assim, os idosos estão cumprindo a tarefa empenhados no envelhecimento saudável.

Além disso, fatores relevantes e caracterizas da região ajudam no envelhecimento de qualidade como: a dieta amazônica onde são consumidos produtos da região como peixes, raízes como mandioca e diversos tipos de frutos. Essa diversificação ajuda na saúde desses idosos.

Ela destaca ainda que 15 por cento da população do Brasil é idosa. “Nós não estamos preparados para implantação de ações mínimas para criar condições de vida a pessoa idosa até 30 anos atrás”, realidade que começa a mudar. “2030 será década dedicada ao envelhecimento saudável, onde serão criadas cidades amigas dos idosos”, prevê ela.

Segundo Camila, é preciso observar e considerar os serviços de saúde e cuidados ao longo da vida aliadas as tecnologias digitais de saúde, com objetivo de integrar o programa de teles saúde e Tecnologia digital.

1.painel –Panorama de Inovação em Saúde Digital no Distrito Federal – Brasil Gilmar dos Santos Marques | Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal.

De acordo com profº Gilmar, a FAP busca parcerias com objetivo de fomentar pesquisas e inovação num esforço contínuo de integrar tecnologias avançadas e soluções inovadoras no sistema de saúde do Distrito federal.

Além disso, se destaca financiemos e apoio a projetos que buscam transformar a saúde pública por meio digitalização e inovação tecnologia.

A ideia central é melhorar a qualidade de vida das pessoas e atenção aos cuidados em especial ao envelhecimento da população brasileira.

Gilmar enumera as ações da FAP concentradas em 5 áreas na saúde digital.

1.   Telemedicina e Telessaúde: objetivo expandir o acesso aos serviços de saúde em áreas remotas ou com escassez de profissionais desenvolvendo projetos como monitoramento remoto de pacientes e capacitação de profissionais de saúde.

2.   Inteligência Artificial e Big Data

Melhorar a precisão diagnostica e otimizar a gestão de recursos: implementando sistema de IA para análises de médicas, além de análise de grandes volumes de dados de saúde para identificar padrões e tendências.

3.   Internet das coisas (IOT), em Saúde. Monitorar continuamente a saúde dos pacientes e a gestão de doenças crônicas, com projetos de desenvolvimento de dispositivos vestíveis(wearables), para monitoramento de sinais vitais, sensores para ambientes hospitalares e sistemas de alerta para emergências médicas.

4.   Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) – que tem como objetivo centralizar e digitalizar o registro de saúde dos pacientes para facilitar ao acesso e a troca de informações entre as unidades de saúde. A ideia é a criação de sistemas integrados de PEP que permitem o compartilhamento seguro de dados entre hospitais, clínicas e laboratórios.

5.   Aplicativos de Saúde Móvel (mHealth). Promover a saúde e o bem-estar por meio de aplicativos que auxiliam na gestação de saúde pessoal para acompanhamento de tratamentos, lembretes de medicação, programas de exercícios físicos e dietas personalizadas.

Inovação Terapêutica no Transtorno Depressivo Maior Izabel Cristina Rodrigues da Silva | Programa de Pós-graduação em Ciências e Tecnologias em Saúde – Universidade de Brasília

De acordo com Cristiana Silva, o transtorno afeta 30 por cento de casos diagnósticos pelo sistema pública de saúde acontecem na porta de entrada das unidades de atendimento e afetem em especial a população idosa.

Ela destaca, que a doença tem fundo genético, além das caracterizas multiforial no qual vários genes são identificados entre eles ambientais.

Entre os estudos e pesquisas se destaca a Medicina de Precisão, que visa coletar informações genéticas, abordagem personalizada com intuito de melhorar a eficácia do tratamento e seus efeitos colaterais.

Inovação Social Isabella Gomes de Oliveira Karnikowski | Origami Social Inovation

Programa Conhecendo o Parlamento Jane Marrocos | Diretora da Escola do Legislativo – Elegis – Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Jane Marrocos, destacou o envolvimento da Câmara Legislativa do DF, especialmente em torno do envelhecimento, promovendo a inclusão do idosos na sociedade em geral.

Ele acrescentou a importância da Uniser -UnB e a Rede Geronto na busca desse objetivo comum. “Temos aproximado os idosos por meio de programas em comum com nossa casa”. Disse ela.

Projeto BREATHE Hadassa Santos | Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

O projeto consiste em estudos que visam gerar evidencia que permitam um melhor estudo e conhecimento dos fenótipos da asma grave. Os estudos permitem analisar os efeitos das diferentes terapias no contexto de uma única doença.

Projeto Viva+Cidadania Kerolyn Ramos Garcia | Faculdade de Ceilândia – Universidade de Brasília. 

O projeto aborda temas relativas à interação dos idosos no mundo financeira. Segundo Kerolyn, os idosos são vítimas constantes de golpes e é fundamental a inclusão dessa população no cenário digital das finanças.

“Existe a necessidade de equipamentos e estratégias especificas para os idosos, especialmente em decorrência o alto número de idosos analfabetos”. Salientou ela.

Gameficação Rede Geronto: Prof.ª Silvana Schwerz Funghetto apresentou estudos realizados em parceira com a Rede Geronto, denominado “Genius”. A ideia é desenvolver e validar tecnologias educativas para auxiliar no processo de autocuidado e gestão do conhecimento nas perspectivas de idosos, profissionais de saúde e gestores de ação primaria a Saúde (APS).

Prof.ª Silvana destaca que estão desenvolvidos vários aplicativos visando o bem-estar do idosos. Entre eles: o “Viva Bem”, destinado pacientes diabéticos, trabalhando o autocuidado, além da questão da alimentação, do lazer, exercícios físico e de relaxamento. O aplicativo tem a participação de alunos de pós-graduação da UnB, e está em fase de validação.

Projeto Bullying Map – Profº. Mateus Assis da Universidade do Gama

Destacou a Gamificação ativa para o enfretamento a intimidação sistemática nas escolas.

Projeto consiste em criar ferramentas e tecnologias de educação e metodologia ativa promovendo o acolhimento aprendiza das pessoas que sofrem bulling com empatia, respeito e conscientização daqueles que o praticam.

Inovações do projeto: Jogos com metodologia educativa. Mapa interativo com histórias de pessoas que sofrem bulling proporcionando empatia e acolhimento. Criação do Museu virtual ante bullyng.

Projeto Digihealth Camila Areda | Faculdade de Ceilândia – Universidade de Brasília

Funções monitoramento de saúde, lembretes em medicação e acesso a informações educacionais sobre saúde. Objetivo: plataforma online de acesso navegação treinamento de idosos e cuidadores criando autonomia e e independência no uso de ferramentas digitais.

As atividades serão realizadas de forma online e remota permitindo acesso amplo e inclusivo.

Tecnogeronto e o game Lady Health José Alberto Gomes de Oliveira Karnikowski | Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

O projeto cria um jogo direcionado ao público idoso com objetivo intergeracional, em que por meio de brincadeiras a pessoas posso cuidar da saúde.

A ferramenta tem como base as necessidades do público idoso como bem-estar e saúde. São perguntas e respostas com foco entre os mais jovens e os idosos.

Projeto Economia Prateada Aline Gomes de Oliveira | Centro Universitário IMEPAC.

A prof.ª Aline, aborda os temas:

. Absolvição da força de trabalho dos idosos.

. Adaptação ao Mercado

. Ampliação e disponibilidade de produtos e serviços para idosos.

A ideia é criar ambiente juntos aos empreendedores visam absolvição dessa mão de obra, além de um mapeamento do mercado sênior (empreendimentos e força de trabalho).

Inovação Social Isabella Gomes de Oliveira Karnikowski | Origami Social Inovation.

Isabela apresenta o tema com abordagem diversas da tecnologia como gerador do fator econômico e algo chamativo. Ela questiona a eficácia desse modo. Como exemplo ela cita os desastres ambientais, a falta de empregos, e o desenvolvido desordenado e seus malefícios. Isabela defende mudanças transformadoras e inovadoras buscando soluções de excelência por meio da educação, bem estar aliada as tecnologias.

Núcleo de Saúde Digital da Universidade de Brasília Dayde Lane Mendonça da Silva | Hospital Universitário de Brasília Samira Virgínia de França – HUB-UnB/Ebserh.

O destaque fica por conta de três projetos focados em Saúde Digital no SUS.

. Centro de Inteligência Artificial de saúde

. Capacitação tecnológica e empreendedora em Saúde Digital

. Núcleo de Tessaúde com foco no cuidado à pessoa idosa

Dayde defende aproximação dos profissionais de Saúde afim de capacitá-los em Saúde Digital.

Potencialidades da IA na Saúde Nilton Correia da Silva | Faculdade do Gama (UnB).

O projeto visa usar a Inteligência Artificial como forma de ajudar a sociedade com o reconhecimento de padrões e vídeos.

Nilson reafirma a necessidade de capacitar os profissionais de Saúde no melhor aproveitamento da ferramenta IA no setor de Saúde.

O papel da atenção domiciliar na assistência ao idoso Leonardo Antônio dos Santos Baltazar | Associação Nacional das Empresas de Atenção Domiciliar.

 Leonardo relata a experiência de atendimento a mais de 30 mil pacientes com serviços de atendimento de urgência e emergência, além de remoção.

Segundo ele, a média de idade dos pacientes atendidos é de 82 anos, daqueles que tem mais de 60 anos. 142 são nonagenários e 14 são pacientes centenários.

Ele destaca ainda que cerca de 40 milhões de pessoas precisam de cuidados paliativos que aliviam a dor e melhora a qualidade de vida de adultos e crianças.

Alexandre da Silva Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania do Brasil.

Alexandre destacou que exigem 32 milhões de pessoas aumentando o posiciona o Brasil como um país de idosos. Segundo ele, na região sul a cada quatro pessoas uma já e idosa. “Podemos dizer que existem municípios no Brasil, que há mais idosos do que crianças”, disse ele que defende o combate às desigualdades que atingem os idosos do Brasil.

Fonte: Alexandre Lemos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *